ATENÇÃO PREFEITO DE MAGÉ: CRIANÇAS DO CEMAE AZUL NECESSITAM DE MAIS PROFISSIONAIS DA ÁREA.

0
348

       O CEMAE AZUL vem realizando um excelente trabalho na cidade de Magé para as crianças Autistas, mas infelizmente dois tratamentos importantes para algumas delas não estão acontecendo: Terapia Ocupacional e a Fonoaudiólogo.

A Prefeitura contratou apenas um Fonoaudiólogo que atende somente um dia da semana a 11 crianças. Infelizmente 30 crianças estão sem atendimento.

O mesmo caso acontece com o Terapeuta Ocupacional. Ele atende dois dias da semana a 22 crianças, deixando 11 crianças sem atendimento.

PUBLICIDADE

E de suma importância que a Prefeitura de Magé contrate o mais breve possível mais dois profissionais dessas áreas para que todas a crianças sejam atendidas de forma igual.

Segue com detalhes a importância desses tratamentos para os Autistas.

Quais são os benefícios da Terapia Ocupacional para a criança com Autismo?

Quando falamos em Terapia Ocupacional Infantil, nos remetemos a três grandes áreas nas quais são de extrema importância na infância: AVDs (atividades da vida diária), atividades relacionadas ao trabalho escolar e o brincar. A criança aprende sobre o mundo quando interage com ele, usando as informações que lhe chegam pelos sentidos, essas interações se dão através do brincar, sendo este o principal recurso utilizado pela Terapeuta Ocupacional.

O objetivo global da terapia ocupacional é ajudar a pessoa com autismo a melhorar a qualidade de vida em casa e na escola. O terapeuta ajuda a introduzir, manter e melhorar as habilidades para que as pessoas com autismo possam chegar à independência.

Estas são algumas das habilidades que a terapia ocupacional pode promover:

  • Habilidades da vida diária, tais como o treinamento do toalete, vestir-se, escovar os dentes, pentear cabelos, calçar sapatos, e outras habilidades de preparação;
  • Habilidades motoras finas necessárias para a realização de caligrafia ou cortar com uma tesoura;
  • Habilidades motoras utilizadas para andar de bicicleta;
  • O sentar adequado, percepção de competências, tais como dizer as diferenças entre cores, formas e tamanhos;
  • Consciência corporal e sua relação com os outros;
  • Habilidades visuais para leitura e escrita;
  • Brincar funcional, resolução de problemas e habilidades sociais;
  • Integração dos sentidos, realizado através da abordagem de integração sensorial com objetivo de diminuição de estereotipias;

Ao trabalhar sobre essas habilidades durante a terapia ocupacional, uma criança com autismo pode ser capaz de:

  • Desenvolver relacionamentos com seus pares e adultos;
  • Aprender a se concentrar em tarefas;
  • Expressar sentimentos em formas mais adequadas;
  • Envolver-se em jogo com os pares;
  • Aprender a se auto-regular;
  • Realizar atividades mais refinadas como: escovar dentes, lar laço, vestir-se etc.
  • Independência;
  • Aprendizagem;
  • Autoconfiança;

Enfim, um objetivo de extrema relevância da Terapia Ocupacional é orientar as Famílias, bem como professores e demais profissionais que precisam de ajuda para compreender e sabe lidar com crianças portadoras de autismo, para que estas se desenvolvam e consigam interagir nos ambientes que frequentam e com as pessoas com as quais convive.

 

Quais são os benefícios da Fonoaudiologia  para a criança com Autismo?

Pessoas com autismo apresentam sintomas como o desvio do olhar ao falar com outra pessoa, expressões comprometidas e dificuldade em utilizar das linguagens verbais e não-verbais para estabelecer uma comunicação.

A linguagem de pessoas com autismo é sempre muito comprometida, as alterações variam de acordo com o caso. Para tratar distúrbios de linguagem, o fonoaudiólogo avalia, de acordo com o diagnóstico, o planejamento adequado de intervenção onde serão trabalhadas as dificuldades apresentadas durante a avaliação.

A maioria dos indivíduos com autismo apresenta dificuldade, por exemplo, em utilizar a linguagem para se comunicar em um contexto, em iniciar a comunicação e mantê-la. Assim como dificuldades em formar sentenças, atrasar ou ter ausência de fala ou alterações de articulação e, repetição da fala dos outros. Outro aspecto que complica o diálogo e a interação social é a dificuldade em compreender a mente dos outros, não conseguindo se colocar no lugar da pessoa com quem se está falando e aceitar o ponto de vista dela. O profissional de fonoaudiologia também trabalha a percepção simbólica do autista. Em casos de autistas que não falam, o fonoaudiólogo e a família devem elaborar um sistema de comunicação alternativo.

Todos os tratamentos de distúrbios de Linguaguem feitos pelo fonoaudiólogo, têm como objetivo adaptar a pessoa com autismo à educação e à sociedade, contando sempre com o auxílio da escola e família para completar o tratamento que não é só ministrado pelo fonoaudiólogo, mas sim por uma equipe multidisciplinar.

O diagnóstico precoce possibilita intervenções fonoaudiológicas e educacionais mais produtivas, para que o quadro clínico apresentado desenvolva-se satisfatoriamente.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

*

code